ago
13
Posted on 13-08-2009
Filed Under (Newsletter) by vitor on 13-08-2009

Marina: páreo durro
msilva
…para Dilma
dilrousseff
===================================================
Deu no Estadão (Por: Cida Torneros, do Rio de Janeiro)

O tamanho do estrago feito pela senadora Marina Silva (PT-AC) na candidatura da ministra Dilma Rousseff (PT) finalmente vem a público, em números precisos, em 4 das 81 páginas da pesquisa que o PV encomendou em julho e só anteontem foi entregue, inteiramente tabulada, pelo Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe). No confronto direto entre Marina e Dilma, em quatro cenários, a senadora perde em um, empata em outro e ganha em dois.

A primeira dessas tabelas mostra José Serra (PSDB) com 28% das preferências e Ciro Gomes (PSB) com 16%, seguidos de Dilma (14%), Heloísa Helena (PSOL) com 13% e Marina em quinto, com 10%. Na segunda, sem Heloísa, Marina sobe e empata com Dilma em 14% (Serra lidera com 30% e Ciro fica com 22%). A virada da ex-ministra do Meio Ambiente aparece quando Ciro também é tirado da disputa. Nessa hipótese, Serra sobe para 37% e Marina vence Dilma por 24% a 16%. E na última hipótese, em que Aécio entra no lugar de Serra e Ciro continua de fora, Marina aparece em primeiro lugar com 27% das intenções de voto, contra 25% do governador mineiro e 19% de Dilma.

A pesquisa, coordenada por Antonio Lavareda, foi feita por telefone entre 22 e 23 de julho – há 20 dias, portanto – e ouviu 2 mil eleitores de todo o País. A “margem de erro máxima para os totais”, como define o pesquisador, é de 2,2%. Ele recorre a essa expressão porque, segundo explicou, essa margem “pode ser maior em universos menores dentro da pesquisa”. O próprio Lavareda se diz surpreso com esses resultados. “Eu e a torcida do Flamengo”, afirma. O fato de ser feita por telefone, garante, não torna a consulta inferior às realizadas por outros métodos. “Veja que, nas pesquisas em domicílios, muitos moradores de apartamento ficam de fora porque o zelador não deixa entrar”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

ago
13
Posted on 13-08-2009
Filed Under (Newsletter) by vitor on 13-08-2009

Globo x Record: hoje tem mais
Recglobo
================================================
Em comunicado distribuído nesta quinta-feira ,13, a Central de Comunicação da Rede Record afirma oficialmente que “não está atacando ninguém, apenas respondendo às acusações feitas e aos ataques que partiram da Rede Globo”, assinala um trecho da nota postada pela revista digital Terra Magazine, editada pelo jornalista Bob Fernandes.

A TM ontem publicou informações completas com os dois lados da guerrilha santa dos últimos três dias entre as redes Record e Globo no chamado horário nobre da televisão brasileira, em matéria assinada pelo repórter baiano, Claudio Leal. Hoje, TM adianta que a programação da Record trará novas matérias como resposta à feita ontem pela Rede Globo. Serão três ou quatro, ainda a decidir pela emissora, segundo Terra Magazine.

A Globo, no Jornal Nacional de ontem, disparou nova carga de acusações contra o bispo Edir Macedo, ao noticiar o ação criminal contra o líder religioso da Igreja Universal do Reino de Deus, acusado com mais nove membros da IURD de crime de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

Segue abaixo o comunicado da Record:

“Nada é mais concreto em nossa resposta do que as acusações já terem sido arquivadas na Justiça Federal.

A Record só se posicionou depois de ter visto uma matéria de onze minutos na Globo dois dias depois que a denúncia aconteceu.

Em relação aos ataques que a Globo nos tem feito, continuaremos respondendo. Não estamos atacando ninguém, abrimos espaço para responder às acusações e estamos respondendo concretamente a elas, até porque foi tudo arquivado na Justiça Federal.

A Globo usa o seu arquivo para nos atacar. Nós usamos o nosso arquivo para responder”.

=====================================================

GLOBO TAMBÉM VOLTA A BOMBARDEAR O BISPO MACEDO

Em comunicação distribuída também nesta quinta-feira , a Rede Globo de Televisão afirma que está dando ao caso Universal “tratamento equivalente” ao que deu a outros casos, como a deflagração da Operação Satiagraha, em julho do ano passado. Segundo a nota, enquanto a matéria da última terça-feira, 11, teve dez minutos, a matéria sobre a operação teve 12.

Minutos antes, em outra resposta, a mesma Central Globo de Comunicação classificou a edição de ontem do Jornal da Record como uma “agressão gratuita”. informa nota postada há pouco no Terra Magazine, assinada pelo repórter Marcelo Oliveira

Leia a íntegra das duas respostas da emissora:

Segunda resposta – “A TV GLOBO deu à ação criminal contra Edir Macedo e outros nove denunciados ligados a ele, acusados de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro, tratamento, em termos televisivos, absolutamente equivalente ao que deram ao mesmo assunto grandes jornais da mídia impressa do país. A Folha de S. Paulo, a primeira a dar a notícia junto com o jornal O Globo, deu o caso em manchete de primeira página, em seis medidas e duas páginas internas. O Estado de S. Paulo deu uma página e meia na quarta e duas páginas hoje, sempre com chamadas na primeira. Além disso, as acusações foram destaque em grandes jornais dos cinco continentes, o que revela a relevância do tema. O JN, no primeiro dia, deu dez minutos ao assunto, mas, destes, dois minutos foram dedicados ao advogado dos réus, Arthur Lavigne. Apenas a título de comparação, no último caso de expressão nacional envolvendo lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, o tempo foi semelhante, levemente maior. O JN dedicou 12 minutos ao caso Opportunity, quando este veio à tona em 8/7/2008. A TV GLOBO faz jornalismo. Isso pode incomodar a quem se vê com problemas com a Justiça, mas é um serviço indispensável ao público. Central de Globo de Comunicação.”

Primeira resposta – “Não nos cabe responder a essa agressão gratuita, porque, como é do conhecimento geral, o autor das denúncias é o Ministério Público de São Paulo. O que a TV Globo tem feito, assim como os demais veículos de comunicação, é registrar essa informação, de evidente interesse público. Central Globo de Comunicação.”
============================================================
LEIA TUDO SOBRE A GUERRILHA SANTA ENTRE RECORD E GLOBO NA TERRA MAGAZINE

 (http://terramagazine.terra.com.br)

(Postado por: Vitor Hugo Soares)

ago
13

Patrícia: descobertas com Waldick
patricia
=======================================

=======================================================

CINEMA/ DOCUMENTÁRIO

Waldick, sempre no meu coração

Maria Olívia

Hoje, as oito da noite, a atriz Patricia Pilar estará em Caetité, município baiano onde nasceu o cantor romântico Waldick Soriano (morto no ano passado) para exibir na Praça da Matriz o filme Waldick, sempre no meu coração. O documentário que já foi exibido ano passado em festivais e no Canal Brasil (Net e Sky), agora chega aos cinemas do país. “Desde o começo da produção do filme já tinha em mente exibi-lo em praça pública em Caetité”, contou Patrícia Pilar. Ela acrescentou que, desde menina, “escutava aquele vozeirão, o via no Programa do Chacrinha e achava uma figura muito divertida. Já adulta, ouvi Tortura de amor – “…Volta, fica comigo só mais uma noite/Quero viver junto a ti/Volta meu amor… e fiquei totalmente encantada”, confessou.

Amanhã, dia 14, a atriz vai participar da sessão de lançamento do documentário em Salvador. A película será exibida na Sala de Arte do Cinema do Museu, Corredor da Vitória, só para convidados. No dia 21, o filme chega às salas de cinema da cidade do Salvador e, dia 28, estreia no Rio, São Paulo e Fortaleza.

Waldick nasceu pobre no sertão baiano, foi garimpeiro e se transformou ícone da música popular romântica. Patrícia Pilar quando começou sua pesquisa não sabia que ele era também compositor. A partir daí, entrou em contato com Waldick e deu largada ao projeto: Um documentário e o Show, gravado no Cine São Luíz, em Fortaleza, disponível em CD e DVD. Os dois fizeram uma grande amizade, no fim da vida Waldick Soriano afirmou emocionado: “Patrícia foi o anjo bom que apareceu na minha vida”. O final da história os leitores do Bahia em Pauta vão poder conferir assistindo aos belos filme e show. Valeu o resgate da vida e obra desta grande figura, valeu Patrícia Pilar.

Maria Olívia é jornalista

ago
13
Posted on 13-08-2009
Filed Under (Multimídia) by vitor on 13-08-2009


Depois na crônica sensível e densa de Gilson Nogueira, postada logo a baixo, vem do jornalista colaborador especial de primeira hora do Bahia em Pauta, a música para começar o dia: “Canção que Morre no Ar”, diamante precioso da Bossa Nova composto pela dupla Carlos Lyra e Ronaldo Boscoli. Aqui vai em uma gravação em MP3 garimpada no YouTube, provavelmente feita nos Estados Unidos por músicos e intérprete não conhecidos por estas bandas da cá, mas nem por isso menos sensacionais ao captar e transmitir toda beleza melódica e o sentimento de uma canção eterna. Confira, com a letra, também mandada por Gilson. Bahia em Pauta não tem como agradecer, amigão!

==================================================

Canção Que Morre No Ar

Carlos Lyra/Ronaldo Bôscoli

Brinca no ar
Um resto de canção
Um rosto tão sereno
Tão quieto de paixão

Morre no ar
O sempre mesmo adeus
Meus olhos são teus olhos

Para nós, vem
Um mundo sempre amor
O pranto que desliza
No seio de uma flor
Terra-luz, anjo só
Mil carícias você trás
Beijo manso, luz e paz

ago
13
Posted on 13-08-2009
Filed Under (Artigos, Gilson) by vitor on 13-08-2009

Noite em Salvador
noite

=================================================
CRÔNICA / SILÊNCIOS

A NOITE

Gilson Nogueira

Debruço-me no balcão da entrada da clínica odontológica e sou recebido com o sorriso branco de uma recepcionista. A bela moça faz-me imaginar ser ela a garota da propaganda de creme dental, cuja publicidade, aliás, está tão por fora das prateleiras midiáticas, na atualidade, como bunda de vedete aparecia nos anos daquelas estrelas piscando nos dentes de usuários de cremes dentais responsáveis por hálito fresco, com cheiro de selva de hortelã, 24 horas. As estrelas cintilando nos dentes alvos era invenção do outro mundo, na tela da tevê, afirmavam os mais velhos.

No sopro de brisa de inverno de final de tarde, tento, paradoxalmente, com palavras, colocar mais lenha na fogueira da indignação coletiva decorrente da violência que faz a Bahia já ser considerada antiga terra da felicidade. Ao puxar assunto com a recepcionista sobre o crime do Monstro do Iguatemi, em Salvador, na vã tentativa de conseguir mais aliados visando ao fortalecimento da idéia de promover uma manifestação pública contra a concessão de benefícios, como o indulto, a criminosos, dentro das cadeias, tipo o que foi concedido à besta, confessa, da morte da pediatra, que havia comparecido ao shopping, com sua filha de um ano e oito meses, para presentear o marido no Dia do Papai, a resposta da atendente“ É o mundo.”

” E que mundo!”, exclamei. Olho para a rua, através do vidro da porta principal,e vejo trabalhadores deixando o edifício, em construção, em animada conversa. Adiante, estudantes tomando sorvete e a baiana do acarajé esquentando o azeite de dendê, com cebola, na grande frigideira, para dar início a um dos rituais de prazer gastronômico da Bahia, cujo caldeirão de mistérios e sabores não pode ser entornado pela ignorância dos que confundem preservação das tradições culturais do povo baiano com sede de dinheiro.

Ao usar a boca, para comer com o espírito o bolo sagrado, noto que poucos se interessam pelo tema violência. Silencio. Na curva, meninos sujos e raquíticos, brigam por esmolas. O cotidiano da fome, sustenta-os com migalhas.Parecem pombos humanos, ciscando o lixo.” É de doer o coração”, tento comentar com um passante. Ele não responde.

A noite começa a cair. O ônibus engole quase todos os passageiros que o esperam, diante do beco da birita onde a cerveja desce para “levantar a moral “dos que precisam dela para suportar o peso dos seus problemas ou a usam para estimular os sonhos do dia. As luzes amareladas da cidade fazem-me confundir sombras e gente. Há mais sombras do que gente e, no lusco-fusco, tempo de encontrar a casa lotérica aberta, para a fezinha de lei, na ilusão de ganhar a grande bolada e, com isso, ajudar a construir um hospital, para meninos , em situação de rua, na capital ou, mesmo, na Ilha, no Subúrbio, no Interior do Estado. Cruzo os dedos. Olho o relógio de pulso e apresso o passo, para chegar em casa. Havia um telefonema a atender. Soube, pela empregada, que alguém queria saber o nome dos autores de Canção Que Morre No Ar. Carlos Lyra, fez a música, Ronaldo Bôscoli, a letra. O telefone ficou mudo.

Gilson Nogueira é jornalista

  • Arquivos