jul
28
Postado em 28-07-2009
Arquivado em (Aparecida, Artigos) por vitor em 28-07-2009 09:53

CRÔNICA / MUTANTES

Caleidoscópio ( crônica para saudar Helô)

Aparecida Torneros

cida
============================================
Um sonho de segundos, e o colorido vai passando como num mundo mágico, aos nossos olhos, formando figurinhas brilhantes, flores e cabalas, à medida que os pedacinhos de vidro se movem diante da luz, em espectro sonhador. Helô, a eterna hyppie, me mostrava suas criações, naquelas tardes de Búzios, na casa da Cris, quando eu precisava ver mesmo as cores da vida renovada. Saudade de pintar o mundo com a ilusão de um bom caleidoscópio. Ilusão de ótica, olhar de criança encantada, lá iam meus pensamentos enveredando pela alegria que pode ser tão intensa quando se valoriza um ângulo profundamente especial.

É assim que busco ver os momentos todos. Tão efêmeros na sua beleza abundante, enquanto o milagre da vida acontece para que valorizemos os encontros com os sonhos, mesmo acordados para uma realidade que pode ser dura à nossa volta.

No grande caleidoscópio do universo, os elementos vão mudando de lugar, matematicamente ordenados em crescimento eterno. O bing-bang da explosão originária de que tanto falam os cientistas, nos trouxe essa misteriosa luz para nos fazer criaturas extasiadas com o inexplicável, o espaço que continua a se expandir, os mundos que ainda nos são tão desconhecidos, os planos acima e abaixo que devem ser as tais morados da casa do Pai, como um dia se referiu o Mestre Jesus, numa de suas parábolas tão divulgadas pela fé enquanto nossas figurinhas se enroscam em torno de nossos ínfimos umbigos, a nos ligar ao tempo e ao espaço.

Helô, que um dia encontrei em Buenos Aires, é aquela pessoinha de vida migrante, a mesma que conta histórias de lugares onde já viveu, da Amazônia, do Morro de São Paulo, na Bahia, que confecciona luminárias e micro-oratórios, como o que tenho aqui comigo, do tamanho de uma caixa de fósforo, com um São José segurando o menino Deus, no colo da fantasia, envolto em pedrinhas brilhantes, colocadas meticulosamente pelas mãos da artista, aquela que sabe presentear com delicadeza dos seus dedos cada vez que cria seu mundinho particular e o divide conosco.

Pois é, como a Helô é a única criatura que conheço que ainda produz caleidoscópios, encantando crianças e adultos, ela me provoca vontades infantis de sair correndo pelos campos, cheirar flores e observar passarinhos, admirar borboletas, deixar que o gosto da chuva me ensope a língua, me encha a boca, no descompromisso quase impossível de viver a liberdade de ser.

Saúdo a saudade dela, nem sei onde está agora, talvez na praia de Atafona do norte do Estado do Rio, talvez na casa da filha que vive na Argentina, quem sabe, novamente, produzindo artesanato pelos lados de Búzios, ou ainda, em alguma seresta de fim de tarde, na casa de amigos cantadores, reverberando luminosidade sob prismas de fantasia.

Helô me deve um caleidoscópio e vou cobrar, aliás, estou cobrando, pois, em certos minutos do meu universo pequeno e rico de perguntas sem resposta, preciso mesmo é de fixar meus olhinhos num artefato tão múltiplo de imaginação e viajar nas imagens lindas que o acaso vai formando, unindo formas, misturando cores, trocando rapidamente o lugar da geometria engenhosa de algum Deus especialista na criação de pequenas verdades, mentirinhas necessárias e brilhos com sabor de eterna infância.

Aparecida Torneros é jornalista, cronista e escritora, mora no Rio de Janeiro
————————————————————–
ps : A crônica foi escrita em 2008 e a Helô me presenteou com o caleidoscópio meses depois, eu o tenho na minha mesinha de cabeceira, gosto de olhá-lo, na contraluz, à noite, muitas vezes, antes de adormecer, para que meus sonhos reproduzam cores e formas lindas e exuberantes.
Cida Torneros

===========================================

Be Sociable, Share!

Comentários

Cristina on 28 julho, 2009 at 19:59 #

Só mesmo a Cida para conseguir passar desta forma todo o colorido dos prismas formados por um caleidoscópio, neste dia nublado e chuvoso, dentro e fora, consigo encontrar a luz no final do cone, são as cores dela.Só me resta agradecer por mais essa!


olivia on 29 julho, 2009 at 8:58 #

Que beleza de texto Cida! Ontem, dia 28, estive num jantar (em Salvador, por sinal, um delicioso Caruru) e a galera só comentava sobre suas crônicas no Bahiaempauta- fiquei muito feliz
por você.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos