jul
05
Postado em 05-07-2009
Arquivado em (Artigos, Vitor) por vitor em 05-07-2009 11:11

Deu nos blogs e jornal

Em maio de 2008, na semana em que foram suspensas as buscas no extrmo-sul da Bahia pelo avião Cessna desaparecido quando fazia o percurso entre Salvador e Ilhéus, levando “empresários britãnicos”, o editor deste Bahia em Pauta escreveu sobre o assunto o seguinte artigo publicado na época no Blog do Noblat, Site da Radio Metrópole e Jornal Tribuna da Bahia, reproduzido em vários outros sites nacionais: O texto vai republicado a seguir, como memória jornalística deste estranho e obscuro caso á espera de esclarecimento. Confira.

================================================
SEGREDOS NO PARAÍSO

Vitor Hugo Soares

Foram suspensas ontem, pela Marinha e Aeronáutica, as operações de buscas pelo avião Cessna desaparecido na semana passada, quando fazia o percurso entre Salvador e Ilhéus e sobrevoava a costa sul da Bahia. A bordo do bimotor de uma empresa de táxi-aéreo, dois tripulantes locais, quatro empresários britânicos e muitos segredos, submersos no pedaço de paraíso no Atlântico cuja orla abriga alguns dos mais exclusivos empreendimentos turísticos e imobiliários do País.

Familiares dos ingleses agradeceram às autoridades, em nota sintética, pelos esforços na procura dos desaparecidos, que seguem agora a cargo da PM e voluntários na região. Os empresários foram identificados como AlanKempson, Ricky Every, Nigel Hodges e Sean Woodhall, este último, presidente da World Wide Destinations (WWD), cujo projeto de maior visibilidade no Brasil é o “Barra Nova Pearl Eco-Nature Resort”, entre Ilhéus e Itacaré. Busca mais refinada na Internet, porém, conduz a revelações surpreendentes sobre viagens e transações de Woodhall antes do acidente.

As primeiras suspeitas sobre a movimentação do empresário britânico por paraísos turísticos da Espanha, Caribe e América do Sul foram levantadas em março de 2006, quando o jornal “El Mundo” publicou reportagem sobre achamada “Operação Malaya”. O tradicional diário de Madri teve acesso a um informe detalhado depois da detenção, por ordem judicial, de 28 pessoas acusadas de envolvimento no “Escândalo de Marbella” – rumoroso caso de desvio de verbas públicas e suborno de autoridade que abalou a cidade consagrada como um dos mais sonhados destinos de férias e badalação de gente rica e celebridades do mundo inteiro até pouco tempo.

A Unidade Central de Inteligência da Polícia (UCI) e o Serviço Executivoda Comissão de Prevenção da Lavagem de Capitais (Sepblac), encarregados deinvestigar um dos maiores escândalos na Europa naquele ano, entraram em campo com vontade. Mas ainda tentam descobrir onde estão as centenas de milhões de euros conseguidos por alguns dos principais imputados pelo juiz Miguel Angel Torres neste assalto aos cofres públicos, entre eles Carlos Sanchez, Juan Antonio Roca e Andrés Lietor, peixes grandes espanhóis fisgados no caso.

Anexo de um informe do Sepblac, em poder do “El Mundo”, falava de “outras pessoas” envolvidas nas tenebrosas transações e traçava o caminho percorridona época pela maior parte do dinheiro, que em grande parte ia parar em “lavanderias” de edens turísticos da República Dominicana. Sepblac indicou que a sociedade anônima “Punta Perla Caribbean Ltda”, por exemplo, remeteu mais de 11 milhões de dólares à empresa “Paraíso Tropical”, controlada diretamente por Carlos Sanchez e seus sócios espanhóis.

A partir daí, as suspeitas apontam também na direção do empresário britânico que consta da lista dos desaparecidos no desastre da semana passada na Bahia. O informe da polícia espanhola destaca que Sean Woodhall é, também, diretor na sociedade “Paraíso Tropical”. O empresário inglês passou a ser considerado o “eslabon necessário” (elo necessário) entre os investidores espanhóis e os projetos dominicanos.

As investigações citadas na reportagem de “El Mundo”, depois aprofundadasem jornais dominicanos, denunciam ainda o empresário britânico como beneficiário dos fundos remetidos pela “Sungolf Desarollo Inmobiliário”, outra das sociedades que participam do projeto Punta Perla no paraíso caribenho. O site noticioso dominicano, Clave Digital, acrescenta: em seu país, a Inglaterra, o empresário foi acusado e julgado por envolvimento em uma fraude escandalosa no ramo de venda de automóveis. Woodhall teria admitido a sua responsabilidade e foi sentenciado a 18 meses de prisão. Cumprida a pena, mudou-se para a Espanha, e ingressou em negócios ligados ao setor imobiliário.

Ultimamente a WWD, presidida por Woodhall, tocava importante empreendimento turístico-imobiliário no Sul da Bahia: o “Barra Nova PearlEco-nature Resort”. Complexo de luxo, com investimentos avaliados na casados R$ 500 milhões, o complexo “Barra Nova Pearl” prevê a construção de um hotel de luxo, um condomínio de 1,3 mil apartamentos e um seletissimo campode golfe.

Tudo isso em “bela área da Bahia, de clima político seguro, praias deslumbrantes, habitat tropical, comida exótica, cultura colorida e vibrantes localidades, perfeitas como destino”, segundo exalta o site da empresa. Na fase de pré-lançamento, um apartamento de dois quartos no Resort estaria sendo anunciado por imobiliárias inglesas por 67 mil libras esterlinas e por americanas ao preço de 130 mil dólares, segundo o jornal Correio da Bahia em informação creditada a Agência Estado (AE).

“Histórias como esta vão longe de carro ou avião, se pegam boa estrada ou céu de brigadeiro”, diria certamente se vivo estivesse o grande cronista baiano Raimundo Reis. No caso de Sean Woodhall, a viagem foi interrompida tragicamente na costa sul baiana. Na nota em que agradecem os esforços de buscas aos desaparecidos no desastre do bimotor, familiares dos empresários ingleses pedem à imprensa que “continue e respeitar nossa privacidade neste momento difícil” . Seguem os segredos no paraíso tropical da Bahia.

* Vitor Hugo Soares é jornalista. E-mail: vitors.h@ig.com.br

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos