jun
15
Posted on 15-06-2009
Filed Under (Artigos, Multimídia) by vitor on 15-06-2009


Nesta segunda-feira(15) a música para terminar o dia e entrar pela madrugada vem do Uruguai e tem a assinatura de Jorge Dexter, nome de ponta da moderna canção da América Latina e mundial. Neste vídeo, o autor de “El otro lado del rio” (vencedora do Oscar de melhor canção) interpreta outra composição estupenda de sua autoria:”Todo se transforma”. Letra e melodia de mestre, para ouvir e repetir. Em uma das estrofes, quando o autor nascido às margens do Rio da Prata fala de loucuras ao lado da amada ao redor do mundo, lembra “das sandálias planas compradas en Salvador de Bahia, onde a outro destes o amor que hoje eu te devolveria”. Confira, ainda, a versão para o português da letra de Dexter, um poema á parte que Bahia em Pauta também oferece aos seus ouvintes e leitores.

(Vitor Hugo Soares)

Todo Se Transforma (tradução)

Composição: Jorge Drexler

Teu beijo se fez em calor,
Logo o calor, em movimento,
Logo em gota de suor
Que se fez em vapor, logo em vento
Que num canto de algum Riacho
Moveu a pá de um moinho
Enquanto pisavam o vinho
Que tua boca vermelha bebeu..

Tua boca vermelha na minha,
A taça que gira em minha mão,
E enquanto o vinho caia
Soube que de algum distante
Canto de outra galáxia,
O amor que me daria,
Transformado, voltaria
Um dia a dar a graça.

Cada um dá o que recebe
E logo recebe o que dá,
Nada é mais simples,
Não há outra norma:
Nada se perde,
Tudo se transforma.

O vinho que eu paguei,
Com aquele euro italiano
Que havia estado em um vagão
Antes de estar na minha mão,
E antes disso em Torino,
E antes de Torino, em Prato,
Onde fizeram meu sapato
Sobre o qual cairia o vinho.

Sapato que em umas horas
Buscarei debaixo de tua cama
Com as luzes da aurora,
Junto a tuas sandálias baixas
Que compraste aquela vez
Em Salvador na Bahia,
Onde a outro deste o amor
Que hoje eu lhe devolveria

Cada um dá o que recebe
E logo recebe o que dá,
Nada é mais simples,
Não há outra norma:
Nada se perde,
Tudo se transforma

jun
15
Posted on 15-06-2009
Filed Under (Artigos, Newsletter) by vitor on 15-06-2009

Carlos Martins e as dúvidas
carlos1

===============================================
Perguntar não ofende:

Os números da economia baiana que acabam de sair do forno e andam rolando por aí, são complicados e, além de difíceis de entender, suscitam dúvidas cruéis à espera de respostas convincentes.

Querem ver?

A Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia  (SEI) divulgou no último dia 10 o PIB da Bahia do 1º trimestre de 2009, que na contramão da crise mundial, cresceu 0,6% em relação à igual período de 2008.

Por outro lado, os dados da SEFAZ indicam que a arrecadação do ICMS  no período de fevereiro a abril de 2009 (que corresponde à atividade econômica do 1º trimestre, uma vez que o ICMS é recolhido no mês seguinte ao da apuração) foi de R$2.291.695,00, enquanto em igual período de 2008 foi de R$2.490.376,00.

A comparação do PIB com a arrecadação do ICMS cria a primeira dúvida atroz: porque a arrecadação do ICMS de 2009 caiu 8% em relação a 2008 quando o PIB teve um pequeno acréscimo de 0,6%?

Em uma analise superficial concluiríamos que a arrecadação do ICMS deveria permanecer constante ou ter um leve acréscimo em 2009, entretanto, analisando a composição da arrecadação por setor econômico, a conclusão seria diferente:

Setor

% Arrecadação 1º Trim 2008

Acresc. PIB

1º Trim 2009

% Arrecadação

Esperada

1º Trim 2009

Comércio

29,36%

3,8%

30,47%

Serviços

24,84%

2,8%

25,54%

Petróleo

28,61%

2,0%

29,18%

Agroindústria

3,47%

2,2%

3,52%

Indústria

13,75%

-3,7%

13,24%

Total

100%

 

102%

Conforme o quadro acima, aplicando os índices de cada setor na sua representatividade na arrecadação do ICMS, seria esperado um acréscimo do ICMS de 2% em relação a 2008, em lugar de uma queda de 8% como foi verificado.

Olhando com mais atenção para os dados da SEI, veremos que grande parte da queda da indústria se deu naquelas atividades voltadas para a exportação (queda das exportações de 32,8% em relação a 2008), que são isentas de impostos. Provavelmente a queda da indústria voltada para o consumo interno, que recolhe ICMS, foi bem menor que os 3,8% da indústria em geral, o que implicaria em acréscimo da arrecadação esperada um pouco maior que 2%.

A pergunta que não quer calar:

Será que a queda da arrecadação do ICMS tem alguma ligação com o clima de guerra do secretário Carlos Martins com os auditores fiscais, que já perdura há quase um ano?

Com a palavra o secretário da Fazenda Carlos Martins.

(Postado por:Vitor Hugo Soares e equipe do Bahia em Pauta)

jun
15
Posted on 15-06-2009
Filed Under (Artigos, Newsletter) by vitor on 15-06-2009

Deu no Blog

O Blog “Fatos e Dados”, da Petrobras, publica nesta segunda-feira (15), as respostas da empresa estatal a três questões formuladas pela redação do Correio da Bahia por e-mail, depois de contatos telefônicos. Um dos temas abordados é a situação de Geovane Morais, ex-gerente de comunicação da área de Abastecimento da Petrobras, demitido em abril. Confira a seguir:

======================================================
“Conforme contato telefônico repasso as minhas solicitações:

Matéria publicada na Folha de São Paulo de hoje, de título “Petrobras paga R$4 milhões a produtoras ligadas ao PT”, é relatada a situação de Geovane de Morais. Ele era gerente de comunicação da área de Abastecimento da Petrobras. Ele foi demitido em abril, segundo a reportagem, por suspeitas de desvio de dinheiro. Com base nisso peço uma espécie de ficha de Geovane. Quando ele passou a exercer essa função? O que ele fazia antes da Petrobras? Ele é funcionário de carreira ou concursado? Além disso, o que exatamente essa “área de abastecimento” maneja?

Eduardo, por favor, uma dúvida e um pedido.

A dúvida: quando Gabrielli assumiu a presidência da estatal?

Sobre suas perguntas

Sobre Geovane de Morais

Em primeiro lugar, esclarecemos que o empregado não foi demitido por “desvio de dinheiro” como cita a pergunta, mas por desrespeitar os procedimentos de contratação da Companhia. Ele foi admitido na Petrobras em maio de 1994, por concurso público, e designado gerente de Comunicação do Abastecimento em outubro de 2004.  Na sua evolução profissional dentro da Companhia, já havia ocupado interinamente outras gerências, além de ter sido nomeado, em março de 2001, gerente de Comunicação da Refinaria Landulpho Alves/RLAM, na Bahia. Essas nomeações ocorreram dentro de um processo natural de evolução de carreira dos empregados da Petrobras.

Sobre Abastecimento

O Abastecimento (downstream) é o responsável pelo refino, transporte e armazenamento de petróleo e seus derivados. A área tem sob sua responsabilidade várias unidades de negócio espalhadas por diversas regiões do país. Na Bahia, estão a Refinaria Landulpho Alves (RLAM) e a Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen). A atuação do Abastecimento é fundamental para consolidar os objetivos estratégicos da Petrobras.

Para ter uma visão mais abrangente da importância da área de Abastecimento para a Petrobras sugerimos que visite nosso site www.petrobras.com.br. Basta clicar no link “Petrobras”, depois em “Atividades” e por último em “Abastecimento” no texto sobre Refino.

Sobre José Sergio Gabrielli

José Sergio Gabrielli de Azevedo é presidente da Petrobras desde julho de 2005″.

(Postado por: Vitor Hugo Soares)

jun
15
Posted on 15-06-2009
Filed Under (Artigos, Newsletter) by vitor on 15-06-2009

Deu na coluna

Leia na coluna de Alex Ferraz, na ediçaõ desta segunda-feira(15) na Tribuna da Bahia a nota que segue – e outras:

——————————————————————–

Estado de sítio
Vejo nos jornais municípios baianos imitando municípios paulistas e decretando toque de recolher para menores.
Uma confissão pública da total incapacidade (inércia?) dos poderes públicos, inclusive da própria Justiça, para lidar com o crime. E, mais do que isso, um reconhecimento de que as novas gerações estão ao Deus dará. Sim, porque no meu tempo de menino e adolescente, nos Barris, quem decretava o horário de voltar para casa era minha sábia e saudosa mãe. E podia variar das sete da noite às duas da manhã, entre meus 13 e 17 anos de idade.
Convenhamos que falo de uma Salvador civilizada, com pouco mais de 800 mil habitantes, e não esta selva em que vivemos hoje.

  • Arquivos