jun
04
Postado em 04-06-2009
Arquivado em (Artigos, Multimídia) por vitor em 04-06-2009 10:45

Eastwood: valor das rugas
ator
===============================================
A música e o vídeo que inspiraram o cronista

==============================================

CRÕNICA DO COTIDIANO/MÚSICA E CINEMA

CLINT EASTWOOD É O CARA

Janio Ferreira Soares

Existem pessoas que vivem travando um eterno combate contra o tempo, como se ele fosse um velho esclerosado que se deixa enganar por plásticas, mini-saias e jovens de aluguel a tiracolo, que na verdade estão mais interessados na fama pós-coito do que na própria relação em si. Em contrapartida existem aqueles que assimilam com perfeição as durezas impostas pelos anos e aceitam numa boa seus cruzados no fígado e demais golpes baixos, que de vez em quando nos pegam de jeito. Mas, enfim, cada um que cuide de suas necessidades, de seus pés de galinha e de seus cabelos brancos como bem entender.

Estou falando isso porque recentemente eu andei vendo alguns filmes protagonizados ou dirigidos por Clint Eastwood e pude observar que ele, que no último domingo, 31 de maio, completou 79 anos, vale cada ruga que a vida lhe sapecou na pele. E quanto mais elas aparecem, melhor ele fica, seja como ator, diretor ou um simples garimpeiro de belas canções que compõem suas trilhas sonoras.

Lá pro final dos anos 60 e início dos 70, quando eu flanava por Paulo Afonso (BA) em meio a gibis, brigites e lolobrigidas, o cinema tinha lugar de honra por essas bandas do sertão. A cidade chegou a ter cinco salas funcionando simultaneamente, o que representava uma verdadeira festa no interior. E pela proximidade entre elas dava até pra pegar duas sessões por dia, como acontece nesses democráticos complexos de salas germinadas dos grandes centros, onde Fellini e Rambo às vezes ficam lado a lado, apenas separados por grossas paredes que servem como uma luva para que queijos, salames e garrafas de vinhos da Toscana não sejam atingidos por rajadas de bazucas endiabradas e músculos bombados made in Vietnam.

Lembro-me que quando passava algum western em que ele era o mocinho, tirando a dificuldade de pronunciar o seu sobrenome, o resto era uma festa. Além de toda agitação, eu também ficava doido para ouvir a música que iria acompanhar suas cavalgadas por cânions, vales e montanhas, pra depois ir correndo até a minha casa (assoviando-a, claro, pra não esquecer nenhuma nota pelo caminho) aprender a tocá-la no violão.

O seu último filme, Gran Torino, pode não ser uma obra prima, mas, para quem conhece o seu trabalho, é muito bacana poder identificar em Walt Kolwalski – um veterano da guerra da Coréia -, traços do cavaleiro solitário que ele foi um dia, misturado com o policial durão, Dirty Harry, acrescido de algumas pitadas do fotógrafo que conquistou Maryl Streep – ao som da sensual voz de Dinah Washigtton – em As Pontes de Madison.

Confesso que ao subir o letreiro, quando ele sussurra com sua voz rouca e desafinada a canção que dá nome ao filme (uma bela parceria com Jamie Cullum), deu vontade de colocar os dedos na boca e dar aquele mesmo assovio que eu dava nos tempos em que ele sacava o seu Colt 45 na tela do velho Cine São Francisco e derrubava pelo menos uns três. Só não o fiz porque naquela hora eu estava com uma das mãos segurando um lenço meio umedecido. Vida longa ao bom e velho Clint.

Janio Ferreira Soares, cronista e escritor, é secretário de Cultura e Turismo de Paulo Afonso, na região do Vale do São Francisco

Be Sociable, Share!

Comentários

Graça Tonhá on 4 junho, 2009 at 14:04 #

Mais uma vez você emociona os leitores do Bahia em Pauta com a sua oportuna e belissima cronica.
Confesso que também quase cheguei
às lagrimas relembrando o grande e impossivel amor de um fotografo ( Clint) e de uma dona de casa ( Meryl Strep) no filme As Pontes de Madison – um dos meus preferidos -.
Concordo: ” Clint Eastwood é o cara”


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos