abr
10
Postado em 10-04-2009
Arquivado em (Artigos) por bahiaempauta em 10-04-2009 23:16

A inundação/Imagem De Olho no Tempo

Nesta Sexta-Feira da Paixão milhares de habitantes de Salvador tiveram uma manhã de muitos sacrífícios, perdas e sofrimentos. Não foram necessários mais que 25 minutos para a terceira maior cidade do País mostrar suas históricas fragilidades, aliadas com o descaso e falta de zelo (para dizer o mínimo) dos que a governam atualmente. Apesar do esvaziamento da capital com o feriadão da Páscoa, cidadãos, ruas, casas, automóveis sofreram com a tormenta, nem tão grande e prolongada assim. Avenidas inteiras – ACM, Jequitaia, Luís Tarquínio, Frederico Pontes, Centenário, Ogunjá, Suburbana, Bonocô, entre outras da Cidade Alta à Cidade Baixa – foram tomadas pelas águas em poucos minutos, sem que os canais de escoamentos dessem vazão à enchente.

Em algumas áreas como nas proximidades do Instituto Médico Legal Nina Rodrigues e no Chame-Chame a água encobria boa parte dos veículos que circulavam na hora do temporal, causando principio de pânico em alguns motoristas e passageiros dos automóveis, principalmente crianças e idosos. Viaturas do Corpo de Bombeiros, SAMU e Transalvador tocavam as sirenes com insistência tentando abrir caminho para prestar socorro de emergência nos mais diferentes pontos de Salvador e áreas do subúrbio. A Defesa Civil registrou mais de duas dezenas de ocorrências, entre alagamentos, ameaça de desabamento, deslizamento de terra, queda de árvores. Entre 10h e 11h choveu 36mm, segundo a Estação Meteorológica da Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mas o tempo de chuva efetivamente intensa, com raios e trovões, não foi superior a 25 minutos. Imagine quando os temporais, comuns neste período, chegarem mesmo para valer na desprotegida cidade do Salvador!

(Vitor Hugo Soares)

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos