Nenhum país pode se envergonhar de combater a corrupção. A vergonha reside na tolerância, não na correção,

Sergio Moro, ex-juiz federal, condutor da Operação Lava Jato em Curitiba.

maio
15

Postado em 15-05-2021 00:14

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 15-05-2021 00:14

 

 

Presidente participa de acionamento de comportas da Integração do Rio São Francisco; obra beneficia Paraíba e Pernambuco - WSCOM
 Bolsonaro em Alagoas: campanha na região do rio São Francisco
ARTIGO DA SEMANA

Velho Chico e Codevasf: palanque de Bolsonaro, estatal do Centrão

Vitor Hugo Soares

À imagem e semelhança do destino atávico da tristeza do samba, na composição dos tropicalistas baianos, também os rumos do Rio São Francisco, descoberto pelo navegador florentino Américo Vespúcio – que navegou em sua foz em 1501 parece, desgraçadamente, fadado à desvairada e predatória exploração política e eleitoral. Principalmente a partir da criação, no governo da ditadura militar, da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba- Codevasf (a inclusão do vale piauiense é fruto de um arranjo eleitoreiro, do petismo) de grandes descalabros históricos desde então, agora envolvida pelo governo Bolsonaro, em escândalo de quase R$ 3 bilhões, para atender aos desígnios do mandatário, já em campanha para reeleição em  2022, e em benesses ofertadas ao notório Centrão para  assegurar o controle político do Congresso.

Nasci nas barrancas do rio que vem de Minas e atravessa cinco estados, até desembocar na costa alagoana, cada vez menos caudaloso em sua foz, como deve ter visto o presidente da República, em visita-comício a Alagoas, na quinta-feira, a título de inaugurações. Conheço o Velho Chico desde os primeiros ruídos que escutei na vida (da correnteza de sua passagem quase no quintal de minha casa). Sei quase tudo de seu curso doce e milagroso no sertão nordestino: cada curva, banco de areia que prende embarcações, cada salto, cachoeira, canal de irrigação, cada barragem e usina hidrelétrica no seu leito, ora barrento ora cristalino. Quase sempre de pura mansidão, às vezes vigoroso e encrespado. Imprevisível mesmo, como no trecho da Barragem de Xingó, em Sergipe, onde o ator Domingos Montagner foi tragado pala força dos redemoinhos, num banho em suas águas, no fim das gravações da novela  “Velho Chico”, da TV Globo, um drama tão simbólico e inesquecível quanto o próprio folhetim.

Sei por ver e viver, e não por ouvir dizer, sobre o rio e a Codevasf. A começar pela construção da usina pioneira da Chesf, em Paulo Afonso. Garoto, estava lá no dia que o presidente Café Filho desembarcou, no aeroporto local, para inaugurar a hidrelétrica, idealizada no governo Getúlio Vargas, para iluminar o Nordeste inteiro. Posso afirmar: desde a criação da Codevasf, quanto mais o rio definha e seca, mais é devastado pela sanha corrupta e caça de votos em períodos eleitorais: da “direita”, “esquerda” e dos esfomeados “centrões” que pousam no poder em todos os governos. 

Desta vez, o esquema bolsonarista – sem projeto próprio e sem diretriz – extrapolou. O jornal Estado de S. Paulo revelou situação escandalosa que vai muito mais de um ponto fora da curva. Além da criação de um orçamento clandestino de R$ 3 bilhões, o governo Bolsonaro “expandiu e turbinou a Codevasf, estatal loteada pelo Centrão, onde vai aplicar cerca de um terço destes recursos, por imposição dos políticos que a controlam”. Um novo golpe eleitoral da “transposição”, agora aplicado por forças de mando da “direita” no poder. A Codevasf , inchada, virou duto para saciar interesses localizados. Na febre antecipada da campanha, o esquema do mandatário” incluiu na área de atuação da empresa pública mil novos municípios, muitos deles localizados a mais de 1.500  quilômetros das águas do São Francisco”. A estatal passa a abarcar também os estados do Amapá, de Davi Alcolumbre; Paraíba e Rio Grande do Norte. Mais bocas para mamar nas tetas da Codevasf e sugar ainda mais o anêmico Velho Chico.

Vitor Hugo Soares é jornalista, editor do site blog Bahia em Pauta. E-mail:vitors.h@uol.com.br

maio
15

“Bem que tentei”, Roberto Menescal e Hannah Montenegro: A doçura de voz de Hannah e a suprema perfeição de harmonia no violão de Menescal, para embalar o sábado nostálgico e chuvoso em Salvador.

BOM DIA!!!

(Gilson Nogueira e Vitor Hugo Soares)

maio
15

Postado em 15-05-2021 00:09

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 15-05-2021 00:09

Presidente do TSE lançou campanha em defesa da urna eletrônica
Barroso diz que não vai polemizar com Bolsonaro e rejeita debate com Bia Kicis sobre voto impresso
 

No lançamento hoje de uma campanha em favor da urna eletrônica, Luís Roberto Barroso disse hoje que não vai polemizar com Jair Bolsonaro sobre o voto impresso e disse que não cabe a ele participar das discussões sobre a mudança com Bia Kicis, que o chamou para um debate.

Questionado sobre as reiteradas afirmações de Jair Bolsonaro de que há fraude no sistema eletrônico, o presidente do TSE disse:

“Não é meu papel polemizar com o presidente. É seu direito expressar como lhe pareça bem. Nosso papel é mostrar como funciona. O TSE obedece ao que decide o Congresso e o Supremo Tribunal Federal. O resto é política que tem lógica e retórica próprias”, afirmou, em entrevista à imprensa.

Indagado por O Antagonista se debateria o tema com Bia Kicis, maior entusiasta da proposta na Câmara, Barroso disse que “no momento é uma discussão que está em curso no Congresso”.

“Portanto, o público certo para participar desse debate são os parlamentares. Estarei atento e ouvirei com interesse as manifestações de todos os parlamentares. Portanto, não é hora para alguém de fora do Parlamento ir participar de debates públicos. Neste momento, é uma questão puramente política”, disse.

“Quanto às acusações de fraude, Barroso disse estar disposto a receber provas. Nós defendemos as urnas eletrônicas, mas minha paixão é por eleições lisas, limpas, livres. Nunca aconteceu, ninguém nunca trouxe prova”, disse.

maio
15

Postado em 15-05-2021 00:06

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 15-05-2021 00:06

 DO CORREIO BRAZILIENSE

Magistrado do STF justifica que ex-ministro da Saúde poderia incorrer em autoincriminação caso respondesse a todas as perguntas

AF
Augusto Fernandes
 

 (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press )

(crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press )

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu o direito ao ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello de permanecer em silêncio durante o depoimento dele à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da covid-19 na próxima quarta-feira (19/5).

A decisão do magistrado foi publicada nesta sexta-feira (14), e atendeu às solicitações da Advocacia-Geral da União (AGU). O órgão recorreu à Suprema Corte para pedir que Pazuello fosse autorizado não responder a perguntas que possam, por qualquer forma, incriminá-lo.

Segundo a AGU, a maioria dos membros da CPI tem adotado uma postura, até o momento, de induzir as testemunhas a darem declarações que indiquem falhas do presidente Jair Bolsonaro e outros integrantes do Executivo no combate à crise sanitária. Dessa forma, por entender que o ex-ministro poderia ser coagido pelos parlamentares, o órgão pediu que ele tivesse a opção de ficar em silêncio.

Ao conceder o direito ao ex-ministro, Lewandowski justificou que a presença de Pazuello na CPI, ainda que na qualidade de testemunha, tem o potencial de repercutir em sua esfera jurídica, ensejando-lhe possível dano. De acordo com o ministro do STF, “a circunstância de o paciente responder a um inquérito criminal sobre os mesmos fatos investigados pela CPI emprestam credibilidade ao receio de que ele possa, ao responder determinadas perguntas dos parlamentares, incorrer em autoincriminação, razão pela qual se mostra de rigor o reconhecimento de seu direito ao silêncio”.

“Por isso, muito embora o paciente tenha o dever de pronunciar-se sobre os fatos e acontecimentos relativos à sua gestão, enquanto Ministro da Saúde, poderá valer-se do legítimo exercício do direito de manter-se silente, porquanto já responde a uma investigação, no âmbito criminal, quanto aos fatos que, agora, também integram o objeto da CPI”, argumentou o magistrado.

De toda forma, Lewandowski defendeu que Pazuello preste depoimento à CPI “tendo em conta a importante contribuição que poderá prestar para a elucidação dos fatos investigados” pela comissão. De acordo com a decisão do magistrado, o ex-ministro da Saúde não poderá ficar em silêncio quando for perguntado sobre assuntos que envolvam terceiros. 

“No que concerne a indagações que não estejam diretamente relacionadas à sua pessoa, mas que envolvam fatos e condutas relativas a terceiros, não abrangidos pela proteção ora assentada, permanece a sua obrigação revelar, quanto a eles, tudo o que souber ou tiver ciência, podendo, no concernente a estes, ser instado a assumir o compromisso de dizer a verdade.”

maio
15

Postado em 15-05-2021 00:04

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 15-05-2021 00:04



 

Sid, NO PORTAL

 

Bahia em Pauta transporta para seu espaço principal de informação e opinião dois relatos da jornalista, escritora e professora de Comunicação Maria Aparecida Torneros, colaboradora da primeira hora e amiga do peito do BP – e em especial deste editor – postada na área de comentário do site blog, a propósito da matéria sobre a fúria do vereador Carlos Bolsonaro, no Palácio do Planalto, ao ver o seu nome citado pelo diretor internacional da Pfizer no Brasil, na CPI da Covid. Com agradecimentos. (Vitor Hugo Soares).
==========================================
Maria Aparecida Torneros :vou de bolinhas: A Espanha do futuro
 Maria Aparecida Torneros

Como gritou a professora Dea Lúcia, no Cristo Redentor, ao final da missa de sétimo dia por alma do seu filho Paulo Gustavo: ” a corrupção mata!”. O ator tinha gravado meses antes: gente cadê as vacinas? Morreu de covid sem ter sido vacinado. Enquanto isso os abutres assassinos porstergavam a compra das ditas cujas. O gabinete do ódio é o mesmo da desumanidade. Carlos Bolsonaro parece se achar imune ao julgamento do povo sofrido e consciente. Acho que seu pai e toda a corja também. Mas o tempo dirá e a história os julgará. O Brasil não merece esse rebanho de corruptos como não mereceu os anteriores. Nosso melhor caminho é educação e saúde com gestões responsáveis. Quando isso, finalmente, acontecerá? Fora, corruptos! Fora, gente pestilenta e insensível! Fora, podres poderosos que dançam sobre nossos cadáveres.

======================================

Maria Aparecida Torneros on 14 Maio, 2021 at 8:12 #

https://youtu.be/IsJASK2DJzU

Ivete Sangalo ao homenagear a mãe de Paulo Gustavo chama a atenção sobre a novela da falta de vacina que derivou no disparo de mortes que poderiam ter sido evitadas. O Brasil que amamos é o da empatia e responsabilidade. Este em que estamos sobrevivendo tem que ser banido definitivamente. Cadeia pra essa gente é pouco. Prisão perpétua é um castigo razoável. Pena de morte não tem mais no Brasil. Teve para Tiradentes que lutou contra exploração do povo brasileiro. Foi enforcado. Em praça pública. Quantos atualmente se a lei permitisse , seriam condenados ao enforcamento pra se fazer justiça?

maio
14

Postado em 14-05-2021 00:28

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 14-05-2021 00:28

 

 
Economia

O filho 02 do presidente Jair Bolsonaro, vereador Carlos  Bolsonaro, teve um ataque de fúria depois de ser citado pelo chefe da Pfizer para a América Latina, Carlos Murillo, em depoimento à CPI da Covid. Murillo disse que Carlos participou de uma reunião com representantes da empresa em 7 de dezembro de 2020 no Palácio do Planalto.

 

Pessoas próximas a Carluxo dizem que ele soltou uma série de palavrões quando ouviu seu nome na CPI. O filho 02 do presidente já havia sido acusado pelo ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta de participar de um gabinete paralelo no governo para tratar da covid-19, inclusive, vacinas.

Carlos Bolsonaro entrou na reunião entre o então secretário de Comunicação da Presidência da República, Fabio Wajngarten, e representantes da Pfizer na companhia de Filipe Martins, assessor especial para assuntos internacionais do presidente. Carluxo ficou pouco tempo. Martins, que é investigado por ter feito um gesto obsceno em sessão do Senado, ficou até o final.

 

Disse Murillo: “Após, aproximadamente, uma hora de reunião, Fabio (Wajngarten) recebeu uma ligação, sai da sala e retorna para a reunião. Minutos depois, entram na sala de reunião Filipe Garcia Martins e Carlos Bolsonaro. Fabio explicou a Filipe Garcia Martins e a Carlos Bolsonaro os esclarecimentos prestados pela Pfizer até então na reunião. Carlos ficou brevemente na reunião e saiu da sala. Filipe Garcia Martins ainda permaneceu na reunião”.

Todas as informações sobre a reunião da qual Carlos Bolsonaro participou foi repassada a Murillo por Shirley Meschke, diretora da Pfizer. A conversa foi para discutir a possibilidade de o governo brasileiro fechar a compra de vacinas do laboratório contra o novo coronavírus. O governo, porém, não deu importância ao assunto. A compra do imunizante só foi fechada neste ano.

maio
14

“Say it”, Frank Sinatra:a mais que perfeita conjugação na música de uma voz sublime e inimitável e uma orquestra de sonhos (Tommy Dorsey) , a serviço de uma canção memorável. Confira.

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

maio
14

Postado em 14-05-2021 00:23

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 14-05-2021 00:23

Onyx em 2015: quem fica em silêncio em CPI é ‘só bandido’

Hoje, a AGU entrou com pedido no STF para que Eduardo Pazuello se valha do  calado na CPI da Covid
Onyx em 2015: quem fica em silêncio em CPI é só bandido
Foto: Adriano Machado/Crusoé

 

As redes sociais, implacáveis, ressuscitaram nesta quinta-feira (13) um post de Onyx Lorenzoni publicado em 11 de maio de 2015, na época da CPI da Petrobras.

O então deputado do DEM, hoje ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência de Jair Bolsonaro, escreveu o seguinte sobre o depoimento do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró na Justiça Federal do Paraná:

“Cerveró ouviu de mim que em CPI quem se vale do direito [a] ‘ficar calado’ tem coisa a esconder, só bandido usa disso.”

Hoje, a Advocacia-Geral da União entrou com pedido no STF para que Eduardo Pazuello, ex-colega de ministério de Onyx, se valha do direito de ficar calado na CPI da Covid.

Notícias relacionadas:

maio
14

Postado em 14-05-2021 00:17

Arquivado em ( Artigos) por vitor em 14-05-2021 00:17



 

Sid, NO PORTAL

 

  • Arquivos

  • Maio 2021
    S T Q Q S S D
    « abr    
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31